Calendário de vacinação contra a COVID-19 é falso

 Calendário de vacinação contra a COVID-19 é falso

Uma publicação que circula pelo WhatsApp mostra um suposto calendário de vacinação contra a COVID-19 para algumas faixas etárias. De acordo com a publicação a fonte na qual foram tiradas as informações seria do Ministério da saúde. A denúncia foi enviada para verificação pelo aplicativo Eu Fiscalizo, da Fiocruz.

A mensagem, que mostra as datas de imunização dos brasileiros de março até agosto para a população entre 18 e 71 anos, dividida em diversos grupos, é falsa.

Calendário que circula pelas redes sociais

Em nota enviada à Agência Lupa, o Ministério da Saúde informou que o cronograma divulgado pelas redes sociais não corresponde à campanha de vacinação contra a COVID, coordenada pela pasta.

De acordo com o Ministério da Saúde, não é estabelecido cronograma prévio com as datas em que cada Estado ou município devem fazer a vacinação. “Esclarecemos que, após a distribuição de doses feita pelo governo federal, estados e municípios têm autonomia para seguir com a vacinação de acordo com a realidade local, e conforme o andamento da campanha, podem prosseguir ampliando a imunização dos grupos prioritários, sequencialmente, de acordo com o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a COVID-19”, diz a nota.

O Plano Nacional de Vacinação Contra a COVID-19 é o que vem sendo adotado pelos estado e municípios, na qual os grupos prioritários à vacinação (aqueles considerados mais vulneráveis à doença) já estão sendo imunizados.

“Em relatório produzido pelos pesquisadores do PROCC/Fiocruz, com análise do perfil dos casos hospitalizados ou óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por covid-19 no Brasil, notificados até agosto de 2020 no Sistema de Vigilância Epidemiológica da Gripe (SIVEP-Gripe), quando comparados com todas as hospitalizações e óbitos por covid-19 notificados, identificou maior risco (sobrerrisco – SR) para hospitalização por SRAG por covid-19 em indivíduos a partir da faixa etária de 45 a 49 anos de idade (SR=1,1), e para óbito, o risco aumentado apresenta-se a partir da faixa etária de 55 a 59 anos (SR =1,5)“, Plano Nacional de Vacinação Contra a COVID-19.

Vale ressaltar que o Ministério da Saúde disse ainda na nota, que não faz agendamento de nenhum tipo de vacina e nem envia códigos para celular dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

Equipe NUJOC