Chip da besta? Publicações nas redes sociais alegam que vacina contra a covid serve para implantar dispositivo

 Chip da besta? Publicações nas redes sociais alegam que vacina contra a covid serve para implantar dispositivo

Informação falsa sobre o imunizante vem assustando a população e fazendo com que pessoas deixem de tomar a vacina.

Um vídeo que está sendo compartilhado nas redes sociais tem causado polêmica ao alegar que a vacinação contra a covid-19 está servindo para implantar um dispositivo denominado “chip da besta”.
Segundo o pensamento de alguns membros da comunidade cristã, o aparelho é a marca do anticristo em forma de chip que será usada como uma forma de controle social. A teoria surgiu a da interpretação que dão a um trecho bíblico do Apocalipse que afirma que, no final dos tempos, a “besta” (o demônio) terá uma marca nas pessoas – que alguns líderes difundem como sendo uma referência à vacina.

Sem dúvidas, a afirmação é completamente falsa! Não há nenhum microchip sendo colocado na população com o imunizante.
O teólogo Magno Paganelli, que é doutor em História Social pela USP e estuda as interpretações do Apocalipse desde os anos 1990, lembra de outros momentos em que inovações tecnológicas, por exemplo, foram tidas como “a marca da besta” — mesmo antes das redes sociais. “Quando surgiu o cartão de crédito, ele também foi considerado por alguns como a marca da besta. Depois veio o código de barras, o código QR. Imaginava-se que o sujeito pudesse ficar marcado, perder a salvação, passar a fazer parte de um sistema global maligno, contrário a Deus”, diz.
Durante o período de ansiedade, luto e incertezas da pandemia, Paganelli, destaca que é preciso que, mesmo considerando sua fé, as pessoas se recordem de que temos uma separação entre a Igreja e o Estado, e que “cabe ao Estado impor normas para nos proteger e promover o nosso bem-estar”.
Após receber diversas denúncias do mesmo tipo, o Ministério Público Federal (MPF) informou que a história é uma completa mentira e que os esforços estão sendo empreendidos pelos profissionais de saúde a fim de superar a campanha de desinformação e vacinar a população.

*Com informações da BBC

Equipe NUJOC