É falso: Não há provas de que médico defensor da hidroxicloroquina foi indicado ao Nobel da Paz

 É falso: Não há provas de que médico defensor da hidroxicloroquina foi indicado ao Nobel da Paz

Trabalho do médico não foi reconhecido pela comunidade científica e Nobel só divulga os nomes dos indicados após 50 anos

O médico ucraniano-americano Vladimir Zelenko teria sido indicado ao Prêmio Nobel da Paz por seu trabalho no combate à Covid-19. Defensor da hidroxicloroquina, da azitromicina e do zinco, o médico ganhou os holofotes no ano passado, ao divulgar que havia curado cerca de 700 pessoas usando os medicamentos. A informação de que teria sido indicado para o Nobel da Paz de 2021 está circulando nas redes e foi sugerida para verificação pelo aplicativo Eu Fiscalizo, da Fundação Oswaldo Cruz.

No vídeo que chegou para checagem, o apresentador divide a tela com a foto do médico e os dizeres: “Indicado ao Nobel da paz! Médico do kit cloroquina dr. Vladimir zelenco, afirma que cloroquina e zinco na fase inicial da Covid-19 reduz em até 85% o número de mortes!”. O vídeo, que foi compartilhado pelo Instagram, pode ser acessado aqui.

Não há como saber oficialmente quem foi indicado ao prêmio Nobel da Paz. Conforme essa checagem feita pelo Projeto Comprova, os nomes dos indicados ao prêmio não são revelados pela organização até 50 anos depois da indicação: “Embora não tenha sido possível confirmar a indicação, ela não representa necessariamente um apoio internacional à tese de Zelenko. As indicações ao Nobel podem ser feitas por diversas pessoas, como membros de parlamentos, governos nacionais e por professores universitários. Se forem feitas dentro do prazo, todas as indicações são validadas e mantidas em sigilo por 50 anos”.

Rastreando a suposta indicação do médico, os sites de checagem chegaram a um endereço que foi apagado da internet e que, recuperado por ferramenta de pesquisa, informa apenas que um grupo de pessoas iria indicar o doutor, mas não diz quem, e até o momento ninguém veio a público para defender que de fato fez a indicação.                

Na apresentação da notícia, o âncora tenta usar a suposta indicação de um defensor da hidroxicloroquina para provar a eficácia do medicamento: “Zelenko alcançou destaque em todo o planeta quando lançou, olha só, o kit cloroquina. O mesmo que tem aqui, para tratamento de pacientes com Covid-19”.

Não há provas da eficácia de nenhum dos remédios utilizados pelo doutor Zelenko no tratamento da Covid-19. O estudo conduzido por ele em 2020, que daria lastro à indicação ao Nobel da Paz, também não é reconhecido pela comunidade científica, pois sua metodologia não segue o padrão necessário para tais estudos, e portanto suas conclusões não podem ser generalizadas. O doutor não apresentou os dados brutos do estudo e sua palavra é a única sustentação que apresenta.

Em matéria feita no ano passado, logo após a divulgação do estudo pelo próprio Zelenko, o jornal Folha de S.Paulo checou a história, e não encontrou elementos que comprovassem a eficácia da medicação utilizada pelo médico: “O estudo feito por Zelenko não tem comprovação científica, não foi publicado em nenhum periódico médico e a única evidência de sua existência são as declarações do próprio autor da suposta pesquisa”.

De lá para cá, depois de inúmeros testes conduzidos em várias partes do planeta, a hidroxicloroquina foi descartada por não apresentar benefícios na prevenção e no tratamento da Covid-19. Azitromicina e zinco também não demonstraram eficácia no combate à doença. A Organização Mundial da Saúde passou a não recomendar esses medicamentos no tratamento da doença do novo coronavírus e alerta para possíveis efeitos danosos do uso.

Postagem sobre suposta indicação do médico ao Nobel da Paz: não tem fundamento. Imagem: Captura de tela/Instagram.

Saco de gatos – Além disso, mesmo que o doutor Zelenko tivesse sido indicado – o que não pode ser comprovado –, a indicação não significa distinção automática. Para se ter uma ideia do time dos já indicados ao Nobel da Paz, eis alguns nomes, levantados pela checagem do jornal O Estado de São Paulo: Adolf Hitler (1939), Benito Mussolini (1935) e Joseph Stalin (1945 e 1948). Ser indicado não é um selo de qualidade sobre a pessoa e seu trabalho, e muito menos a certeza de que o indicado levará o prêmio. Donald Trump foi um dos indicados em 2021, conforme esta checagem do site e-farsas.

 O apresentador da matéria ironiza o trabalho dos senadores Omar Aziz (PSD) e Renan Calheiros (MDB) na CPI da Covid, atualmente em andamento no Senado Federal: “Pois é, este senhor, doutor Zelenko, foi indicado ao prêmio Novel da Paz por conta da hidroxicloroquina. Certamente num futuro breve será convocado e trucidado na CPI da Pandemia pelos ilustres senadores Aziz e Calheiros. Desculpe, piadinha de mau-gosto”. Motivo de graça para alguns, a pandemia já ceifou mais de meio milhão de vidas no Brasil, e as investigações apontam fortes indícios de ação orquestrada de diversos setores ligados ao Palácio do Planalto na disseminação de desinformações que conduziram ao desastre sanitário.

Equipe NUJOC