Em vídeo, Bolsonaro questiona eficácia de vacinas e insiste em tratamento precoce

 Em vídeo, Bolsonaro questiona eficácia de vacinas e insiste em tratamento precoce

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), é um dos maiores defensores e propagadores do tratamento precoce para a covid-19, com medicamentos como hidroxicloroquina, cloroquina e ivermectina. Em um vídeo recente gravado por apoiadores e compartilhado pela deputada federal Bia Kicis (PSL), Bolsonaro questiona a eficácia da vacina Coronavac e ressalta que as pessoas não podem confiar no imunizante e devem buscar o tratamento precoce.

“A Coronavac é 50% de eficácia, botaram na cabeça que quem toma [a vacina] os sintomas são menos graves, e tá morrendo muita gente, no Chile, em outros países, no Brasil também, e o cara em vez de buscar o tratamento precoce ele fica naquela de que ‘vai ser menos grave’, a gente não sabe se vai ser menos grave ou mais grave, não tem comprovação científica disso daí, então ele deve procurar o tratamento precoce, deve procurar o médico e ponto final”, declarou o presidente, cercado de apoiadores.

Como já vem sendo divulgado pelo Nujoc Checagem desde o início da pandemia, essa declaração, bem como outras dadas pelo presidente sobre o tratamento precoce, são falsas.

Ao contrário do que Bolsonaro afirma no vídeo, a Coronavac é a primeira vacina a comprovar sua efetividade no mundo real. No dia 02 de julho o Instituto Butantan, que produz a Coronavac no Brasil em parceria com a biofarmacêutica chinesa Sinovac, divulgou dados sobre a efetividade do imunizante.

“No estudo realizado pelo Instituto Butantan na cidade de Serrana, denominado Projeto S, a Coronavac se provou também eficiente. Ao atingir-se uma cobertura vacinal de aproximadamente 75% da população adulta do município, foi possível controlar a epidemia no local. Além de evitar a grande maioria das internações e óbitos por Covid-19, a vacinação conseguiu diminuir a transmissão do vírus – beneficiando, inclusive, os habitantes que não se aplicavam aos critérios de inclusão da pesquisa e não haviam se imunizado”, diz um trecho do comunicado do Butantan.

Portanto, a declaração de Jair Bolsonaro, que põe em dúvida a eficácia da Coronavac, é falsa. Vale ressaltar que recentemente a cúpula da CPI da Covid no Senado Federal propôs o indiciamento do presidente pelos crimes de charlatanismo, curandeirismo e propaganda enganosa, por sua defesa incisiva do tratamento precoce, que não tem comprovação científica.

*O material aqui verificado pelo Nujoc Checagem foi encaminhado à nossa equipe por meio do aplicativo Eu Fiscalizo, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que está disponível para Android e IOS.

Equipe NUJOC