Novas variantes do coronavírus afetam mais gravemente o fígado?

 Novas variantes do coronavírus afetam mais gravemente o fígado?

Com o surgimento das novas variantes do coronavírus, muitas têm sido as informações falsas sobre o tema, uma delas é a de que essas variantes afetariam mais gravemente o fígado.

Uma das figuras públicas que tem falado bastante sobre isso é o médico Albert Dickson, deputado estadual do Rio Grande do Norte pelo PROS. Sem qualquer embasamento científico ele afirma que as novas variantes estariam afetando mais o fígado, contrariando os estudos que já indicaram que os danos causados a esse órgão na verdade são provocados por medicamentos do chamado “kit covid”, como a Ivermectina.

Fervoroso defensor do tratamento precoce, Albert Dickson aparece em um vídeo enviado ao Nujoc Checagem pelo aplicativo Eu Fiscalizo, fazendo defesa do kit covid e afirmando que tais medicamentos não afetam o fígado.

O médico argumenta que os principais sintomas que aparecem em pessoas infectadas pelas novas variantes são incômodo na garganta, espirro e dor de cabeça, e por isso, segundo ele, muitas pessoas não acreditam que possam estar com covid-19.

“O que predomina é garganta arranhando, espirro e dor de cabeça, esse trio é o principal da nova cepa, que é uma coisa que acontece com a mudança de temperatura, e a pessoa vai achando que é uma coisa natural. Outra coisa é que ela atinge o fígado, que é a usina de metabolização dos medicamentos, todo medicamento é metabolizado no fígado, diante disso, os médicos que estão na UTI estão pensando que a culpa é do remédio”, argumentou.

Albert Dickson é enfático e diz: “a culpa do problema hepático chama-se covid, porque ele se adaptou para realmente matar mais rápido, não seria do kit covid [a culpa]”.

Ainda não existem quaisquer evidências atestando que variantes do novo coronavírus ataquem mais gravemente o fígado de pacientes.

Uma reportagem especial da BBC esclareceu como a covid-19 afeta os diferentes órgãos do corpo humano. No material, o médico hepatologista do Hospital das Clínicas e professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Edmundo Lopes, explica que até o momento o fígado não tem sido o principal afetado pelo coronavírus.

“Apesar destes distintos mecanismos de agressão ao fígado durante a covid-19, ele não é comumente nem intensamente comprometido, como ocorre com outros órgãos, como os pulmões, o coração e os rins. As explicações para esta ‘menor’ agressão ao fígado ainda não estão bem elucidadas”, afirmou à BBC.

Por outro lado, já existem casos de pessoas que apresentaram problema no fígado após uso de Ivermectina (que compõe o kit covid), inclusive, a Organização Mundial da Saúde (OMS), em comunicado oficial divulgado no dia 31 de março deste ano, desaconselhou o uso do medicamento em casos de covid-19.

Diante disso, é preciso alertar que a informação que vem sendo difundida pelo deputado, que é médico, não possui embasamento científico.

Equipe NUJOC