Vacinas alteram DNA e podem levar a óbito em até dois anos?

 Vacinas alteram DNA e podem levar a óbito em até dois anos?

Recebemos, por meio do aplicativo Eu Fiscalizo da Fiocruz (disponível para Android e IOS) um vídeo com um homem que se chama Oscar Aníbal Chiápanno e diz ser Juiz Arbitral Corregedor Internacional em 194 países. No vídeo, ele afirma que as pessoas que receberam a vacina contra a covid-19 e não tiveram nenhuma reação vão morrer em dois anos, pois a vacina altera o DNA. As declarações de Oscar a respeito da vacina são baseadas em falas do vencedor do Nobel, Luc Montaganier.  

No vídeo, Oscar diz que se a pessoa tomou a vacina, irá falecer em dois anos, isso porque elas retiram a autoimunidade. Vale lembrar, com informações do blog Tua Saúde, que a principal função das vacinas é treinar o sistema imunológico contra diferentes tipos de infecções, já que estimulam a produção de anticorpos, que são as substâncias produzidas pelo corpo para combater os microrganismos invasores. Assim, o corpo desenvolve anticorpos antes de entrar em contato com o microrganismo, deixando-o pronto para atuar mais rapidamente quando isso acontecer.   

Captura de tela do vídeo de Oscar Aníbal Chiápanno.

Nenhuma vacina é capaz de alterar o DNA. Tal afirmação é apenas mais uma teoria da conspiração. Uma matéria do Uol evidencia que estudos com vacinas não começaram ontem, mas há muitos anos e com isso, existem testes rigorosos para que qualquer vacina ao ser aprovada não apresente risco ao genoma.  

As informações trazidas pelo homem do vídeo são amparadas em falas que ele diz ser do Luc Montaganier, ganhador do prêmio Nobel de Medicina, por descobrir o vírus da Aids. No entanto, nenhuma informação é verdadeira, pois Luc jamais disse que se as pessoas forem imunizadas contra a covid-19 morreram em dois anos. Essa desinformação viralizou já há alguns meses, após uma entrevista dada a um veículo de comunicação. De acordo com Aos fatos, em sua análise, verificou que na entrevista que o virologista concedeu, ele apenas afirmou que a vacinação pode causar novas variantes do vírus.  

O autor do vídeo diz ainda que as melhores maneiras de se prevenir contra o coronavírus é tomando vermífugos, tomando vitaminas e ir ao sol, mas nada disso é verdade.  

A própria OMS não recomenda a utilização do tratamento precoce, que é composto pelos medicamentos hidroxicloroquina, azitromicina e ivermectina. A única maneira de se proteger do novo coronavírus é por meio da vacina, isolamento social e uso de máscara. 

Equipe NUJOC